Cobertura de Shows

Pet Shop Boys: clima de discotecas em pleno 2017

Veja como foi o show da dupla Pet Shop Boys em São Paulo

foto: Carol Marinho Martin

Veja como foi o show da dupla Pet Shop Boys em São Paulo

A dupla britânica Neil Tennant and Chris Lowe, os PET SHOP BOYS, fez sua passagem pela cidade de São Paulo na terça-feira, dia 19.09.2017, no Espaço das Américas (Barra Funda). O show faz parte da SUPER TOUR, iniciada em outubro do ano passado, que marca o lançamento do álbum homônimo.

Antes de São Paulo, a dupla se apresentou no Rock in Rio (com set reduzido, comum em festivais) e em Brasília. Após, continua a turnê em Curitiba e termina a passagem pelo Brasil em Porto Alegre. Pela primeira vez em anos, a dupla vem acompanhada de outros músicos (dois percussionistas e uma tecladista), para tocar músicas do álbum Super e outros hits da bem sucedida carreira de mais de 30 anos da dupla.

A dupla sobe ao palco (Foto por Carol Marinho Martin)

Os músicos de apoio se juntam à dupla (Foto por Carol Marinho Martin)

O show tem início por volta das 22h para uma platéia formada na sua maioria por cinquentões, que vibram a cada música ao relembrar seus tempos de jovens frequentadores de discotecas. “Inner Sanctum” abre o repertório da noite, que intercala músicas mais recentes e hits que marcaram a trajetória da dupla. Tanto Neil e Chris quanto os músicos de apoio utilizam capacetes e acessórios na cabeça que remetem a uma atmosfera oitentista-futurista (que, pasmem, voltou à moda atual).

Capacetes de Chris e da violinista e tecladista Christina Hizon (Foto por Carol
Marinho Martin)

Capacete de Neil (Foto por Carol Marinho Martin)

Show de luzes impressiona (Foto por Carol Marinho Martin)

Luzes! (Foto por Carol Marinho Martin)

Vale destacar o belo trabalho de duas londrinas. A coreografia e direção de palco ficam a cargo de Lynne Page, conhecida por trabalhos no teatro, ópera, dança, TV e cinema, como o filme Billy Elliot. Es Devlin é a responsável pela direção criativa da turnê. Es é conhecida por seus trabalhos como cenógrafa e stage designer no teatro, ópera, dança, TV e audiovisual e por trabalhar para artistas como Kanye West, Beyonce, Adele e o próprio PSB. Além disso, concebeu a cerimônia de fechamento dos Jogos Olímpicos de Londres (2012) e participou da abertura dos jogos do Rio de Janeiro (2016).

O jogo de luzes e vídeos impressiona pela criatividade, qualidade e adequação às músicas e ao conjunto do show. Não se trata de mera projeção: o encaixe entre música, vídeo e figurino garantem que o ambiente de celebração se instaure. A simpatia de Neil, que completa o cenário, aparece em pequenas frases com elogios ao público e ao país,
como na execução de “Se A Vida É (That’s The Way Life Is)”, música composta após uma viagem da dupla à América Latina, do álbum “Bilingual”, de 1996 .

Neil em clima mais sóbrio (Foto por Carol Marinho Martin)

Neil em clima “disco” (Foto por Carol Marinho Martin)

O percussionista Simon Tellier (Foto por Carol Marinho Martin)

Neil troca de roupa mais uma vez e chega a vez do público soltar ainda mais a voz: “West End Girls” é cantada em coro pelos presentes. Os celulares não deixam de registrar nenhum momento: a suposição de que só adolescentes se preocupam mais com o celular do que com a experiência de um show ao vivo cai por terra. Mais 3 músicas e mais um clássico da dance music mantém a energia contagiante do show: “It’s a Sin”, seguido de “Left to My Own Devices (Super Mix)” e do hit “Go West”, que encerra o show antes da volta para o bis.

Celulares registram cada momento (Foto por Carol Marinho Martin)

O sisudo Chris abre um sorriso (Foto por Carol Marinho Martin)

Visão geral do palco em “Go West” (Foto por Carol Marinho Martin)

A figurino futurista de Neil (Foto por Carol Marinho Martin)

O bis vem com homenagem da plateia: ao som de “Domino Dancing”, o público exibe cartazes com a palavra “day”, em alusão ao refrão “All day, all day / Watch them all fall down / All day, all day / Domino dancing”. “Always On My Mind” e a repetição de “The Pop Kids” completam duas horas de um show intenso, marcado pela qualidade técnica
da dupla, auxiliada por músicos igualmente empolgados, e que tem na direção criativa de palco um elemento que ajuda a compor o ambiente de festa e animação. Sim, hoje estivemos numa verdadeira discoteca dos anos 1980 em plena de uma terça-feira de 2017.

Confira o setlist:
Inner Sanctum
Opportunities (Let’s Make Lots of Money)
The Pop Kids
In the Night
Burn
Love Is a Bourgeois Construct
New York City Boy
Se A Vida É (That’s The Way Life Is)
Love Comes Quickly
Love Etc.
The Dictator Decides
Inside a Dream
West End Girls
Home and Dry
Vocal
The Sodom and Gomorrah Show
It’s a Sin
Left to My Own Devices (Super Mix)
Go West (Intro: Being Boring / Heart)
Bis:
Domino Dancing
Always On My Mind
The Pop Kids (Reprise)

A homenagem da platéia em “Domino Dancing” (Foto por Carol Marinho Martin)

Deixe seu comentário

To Top